29 de janeiro de 2013

Livro Einstein: Sua Vida, Seu Universo, por Walter Isaacson

Conheci Walter Isaacson devido a Biografia de Steve Jobs, confesso que se não fosse por esta, possivelmente jamais viria a conhecer o autor. Olhando as outras biografias escritas por ele, me chamou a atenção a de Albert Einstein, um dos homens mais inteligentes da história, que revolucionou a física, talvez apenas Newton iguale a grandeza de seu trabalho.

No começo do livro já é citado um dilema, para se escrever sobre a vida de Einstein é necessário explicar suas teorias, já que são parte integrante dela, só que ela são complexas demais para um leigo entender. A solução é elegante, ele pede ajuda para professores, com o objetivo de escrever sobre as equações de Einstein da maneira mais compreensível possível.

Einstein não era um gênio na juventude, nem perto de um Mozart, que já compunha obras primas, muito pelo contrário. Só que também não era o outro extremo, existe uma lenda, de que as notas de Einstein eram medíocres na juventude, isso veio do fato das notas na Alemanha irem até 6, em contraste com as americanadas que vão até 10.

ETH em Hönggerberg (Science City) - (fonte)
Einstein tentou entrar na faculdade, mas, em muito devido à idade, era muito novo, não conseguiu, então teve que tentar no ano seguinte. Nisso foi fazer um cursinho preparatório e acabou se envolvendo com uma colega, filha de um professor, o romance durou até depois dele entrar na ETH. Einstein era, como o livro diz, bem apessoado, longe de todos os estereótipos.

Pátio na frente da ETH (fonte)
O que me chamou atenção foi ele ter se formado na ETH Zurich e não conseguir nenhum emprego, era quase um vagabundo. Tentou conseguir uma posição acadêmica escreveu para os mais diversos professores, pessoas que hoje integram a história da física, sem nenhum sucesso. Até que um amigo conseguiu um emprego na casa de patentes suíça, tinha que analisar os pedidos de patentes. Apesar da carga horária pesada, o trabalho era interessante, pois podia ver as mais diversas ideias, abrir a mente, além de finalmente pode se casar.

Nessa época, participava de grupos de discussões, sobre física, sobre filosofia, escrevia artigos. Um dos seus primeiros trabalhos foi sobre o efeito fotoelétrico, clique em cima, o artigo da Wikipédia já é suficiente. Outro foi sobre o movimento browniano, um movimento aparentemente aleatório que partículas suspensas fazem na água, nele Einstein desvenda sua origem.

Vindo em seguida o "Sobre A Eletrodinâmica Dos Corpos Em Movimento", um nome assim pode parecer estranho, mas é comum em artigos científicos, esse é um dos artigos mais importantes da história da humanidade, você pode acessá-lo em inglês aqui. Foi nele que Einstein descreve os princípios da relatividade, usando o fato que quando o eletromagnetismo de Maxwell é combinada com as leis de Newton, encontram-se algumas inconsistências, assim ou uma ou outra estaria errada.

Retrato oficial do (fonte)
Quando criança Einstein imaginou como seria viajar na velocidade da luz, você veria a luz parada? Einstein chegou a conclusão que não, independentemente da sua velocidade, a luz sempre estaria a mesma velocidade em relação a você. Quanto mais rápido você está, mais lento o tempo passa, assim em duas hipotéticas naves espaciais na velocidade da luz, uma passando do lado da outra em sentidos opostos, uma na percepção da outra, estaria também a velocidade da luz, não duas vezes ela, não existe soma de velocidades quando se trata da luz. Essa teoria é bem interessante, além do fato que a matemática envolvida é razoavelmente fácil de ser compreendida.

Com esse trabalho ele ganha um pouco de fama, finalmente conseguindo uma posição acadêmica. Quando passa a trabalhar numa teoria mais geral, conhecida como Teoria Da Relatividade Geral, onde agora os corpos passam a poder ter aceleração (era uma limitação da teoria antiga). A teoria, terminada em 1915, diz que a massa das partículas distorce o espaço, ou seja, a gravidade é um efeito da geometria do espaço. Essa teoria usa uma matemática extremamente complicada, sendo difícil sua compreensão.

5ª Conferência de Solvay em 1927 em Leiden na Holanda (fonte)
Agora Einstein já é famoso mundialmente, convidado a palestrar nos mais diversos lugares, universidades de prestigio o querem como professor. Ele se separa da mulher e começa a se envolver com a prima, com quem estaria até ela falecer. Apesar disso, o que realmente me chamou atenção foi com a maneira que se relacionava com seus filhos, um tinha problemas psiquiátricos e fora internado na suíça, Einstein raramente o visitava.

Quando se mudou para os Estados Unidos e passou a trabalhar no Instituto de Estudos Avançados em Princeton, ele não trouxe seu filho, internado na Suíça. Pois os Estados Unidos não aceitaria dar cidadania para alguém com problemas mentais, o que duvido se tratando de Einstein, tirando que poderia trabalhar em outro país que aceitasse. Foi engraçado quando ele estava negociando sua contratação e a pessoa perguntou quanto pretendia ganhar, ele disse algo como 4 mil dólares por ano e depois: "mas se for muito, posso viver com 2 mil", tudo isso devido ao fato dele não precisar dar aulas, diferentemente de universidades. No entanto, o instituto pretendia pagar por volta de 15 mil, que era o salário de um famoso matemático de lá. É importante salientar, que 2.000 dólares em 1933 atualizandos com a inflação valeriam em 2011 por volta de 34.000 dólares, segundo o The Inflation Calculator.

Instituto de Estudos Avançados em Princeton nos Estados Unidos (fonte)
Os maiores físicos e matemáticos do século XX trabalharam no Institute for Advanced Study, posso citar de cabeça: John von Neumann, que é um dos pais da arquitetura de computador que você está usando agora (seja Tablet, Smartphone ou PC), Kurt Gödel, que abalou a lógica com seu teorema da incompletude, Robert Oppenheimer, pai da bomba atômica. Einstein gostou tanto, que jamais saiu de solo americano novamente, nem para visitar seu filho, acho que muito disse se deve a segurança que ele sentia lá, um ambiente que nunca sofreu as perseguições Nazistas.

Irreverente (fonte)
O livro conta diversas vezes que ele foi rebelde, se engajando politicamente, tanto que uma vez o diretor do instituto não contratou um matemático recomendado por ele por pura birra. Quando era novo, ele era totalmente contra exércitos, pregava a resistência ao serviço militar, posteriormente, com a ascensão do Nazismo, percebeu que muitas vezes a guerra é inevitável e fugir dela pode trazer consequências ainda piores.

A sua prima, que era casada com ele, mas a meu ver, se relacionavam como amigos, faleceu, foi um momento muito triste para ele, possivelmente marcando sua decadência. Um fato muito alardeado no livro é que suas teorias foram totalmente revolucionárias, indo de encontra ao senso comum, mas ele foi um grande opositor da física quântica outra teoria revolucionária, que, para mim, é ainda mais estranha e contra intuitiva que a relatividade geral.

Einstein faleceu em 1955 de um aneurisma, desistiu de viver, pois ainda poderia ter alguns anos se fosse tratado. Seu cérebro, com autorização de seu filho, foi preservado para estudos, sendo que toda hora sai um artigo dizendo porque Einstein era inteligente. Seu filho se tornou um engenheiro hidráulico formado pela mesma faculdade de seus pais, posteriormente veio a ser professor de Berkeley. O ano de 1905 ficou conhecido como ano miraculoso, por seus diversos artigos, entre eles a relatividade restrita.

Tributo do Washington Post para Einstein (fonte)
O livro é bem longo, com mais de 500 páginas, mas é uma leitura agradável, interessante, onde apesar de você nem ter vivido na mesma época da pessoa, parece atual. Infelizmente é um livro um pouco caro, no entanto mesmo Einstein não tendo sido um exemplo de pessoa, recomendo fortemente a leitura, ainda mais se você gosta de ciência.

Gostaria de ressaltar uma frase atribuída a Einstein:
"A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original."
Entre muitas outras que podem ser encontradas no pensador.

Se quiser conhecer mais sobre esse homem recomendo dois artigos da revista Ciência Hoje que podem ser acessados no site do ITA, o primeiro aqui de 1996 e o segundo de 2005, um século após o ano miraculoso. Outro fato desconhecido é que ele escreveu também sobre humanidades, como um artigo intitulado "Por que Socialismo?", que pode ser acessado aqui.

Nenhum comentário: