23 de dezembro de 2012

Xbox 360 x PS3 - Parte 2 - Mais PC/Steam Box, algumas considerações

Vamos lá, depois de muito, muito tempo, eu tendo desistido de comprar um videogame, meu pai compra um Xbox com Kinect para meus irmãos. Nos dois anos entre o artigo que escrevi anteriormente e esse, muita coisa mudou, algumas opiniões, alguns jogos não são mais exclusivos, novas franquias foram criadas, o Kinect e o Move não são só promessas, entre outras coisas.

Xbox com o Kinect e Playstation 3 com o Move
Mudei de opinião, Gran Turismo 5 é sim melhor que Forza 4 (na época era o 3). Achei o Forza 3 mais vibrante, mais colorido, porém, como simulador, o Gran Turismo é imbatível! Jogar na chuva (o efeito é lindo!), mudanças climáticas durante as corridas (coisa que no Forza não ocorre, é sempre um sol lindo, mas que acaba cansando). No entanto, Forza como jogo, se você quer apenas se divertir, talvez seja uma escolha melhor, além disso o fundo dos cenários e as sombras de Gran Turismo continuam me irritando.

Media Center

Controle remoto para Playstation 3
Eu sempre imaginei um videogame como a central multimídia de sua sala. O Playstation 3 cumpre até que bem esse papel, é um player bluray, apesar de perder feio em recursos para players atuais da própria Sony. Só que, além de player, ele também acessa diversos sites de vídeo, como o gratuito Crackle e o Netflix, que custa 15 reais por mês no Brasil. O chato é que ao contrário da maioria dos players de DVD ele não aceita o formato MKV, nem legendas em arquivos separados, coisa que o Xbox também não faz. Só que o PS3 aceita o formato AVCHD, que pode ser usado para gravar vídeos em alta definição em DVD e em DVD Dual Layer.

O Xbox por outro lado, não tem Bluray, agora faz falta, mas no lançamento foi uma coisa boa, como citado no artigo anterior. Infelizmente ele patina totalmente no quesito serviços online. Para rodar os aplicativos do Hulu e do Netflix você precisa assinar a Live Gold, ou seja, precisa pagar dois serviços, mesmo que queria usar apenas um.

A Live, até por usar a infraestrutura do MSN, atual Live Messenger, tem um chat muito superior à PSN. É possível conversar com pessoas que estão jogando outro jogo no momento, coisa que a PSN até hoje nunca implementou. Só que é paga, e sendo realista, o custo de quase 100 reais ao ano não é vantajoso.

O Playstation também implementou uma modalidade paga, a PSN Plus, que te dá jogos todos os meses (mas você só pode jogá-los enquanto assinar a Plus), além disso, ela te dá descontos exclusivos e a possibilidade de armazenar salves na internet, só que ainda não está disponível no Brasil.

DLCs

Street Fighter X Tekken
Um tempo atrás eram comuns pacotes de expansões de jogos. Quem nunca jogou o primeiro The Sims e ficava chateador por não ter algum objeto presente em alguma das (caríssimas) 7 expansões do jogo? O mesmo aconteceu com Age of Empires e Flight Simulator X da Microsoft. Hoje esse jeito de melhorar o jogo caiu em desuso.

A moda agora é cobrar por conteúdos que antigamente estavam disponível gratuitamente, como novas roupas, missões extras, etc, que eram abertas depois de fechar o jogo varias vezes. Como em Tekken 3, que o número de personagens duplicava quando você fechava o jogo com todos os lutadores. Hoje em dia esses lutadores são vendidos.

Um exemplo é a Capcom, que em diversos jogos vende complementos para o jogo que já estão disponíveis no DVD, como em Street Fighter x Tekken. No meu ponto de vista, DLCs são interessantes para aumentar a vida útil dos jogos, como em Gran Turismo 5, que novos carros e pistas são vendidos em pacotes.

O jogo Rocksmith, por exemplo, foi lançado para computador a pouco tempo, no Steam brasileiro existem mais de 500 reais em músicas que podem ser adicionadas ao jogo, não quero discutir se isso é correto, até porque é legal ter alguma música que você gosta e não esta originalmente no jogo. Nesse caso, devido aos direitos autorais das músicas, eles realmente tem um bom gasto para fazer esses DLCs, tirando que você só vai comprar as músicas que realmente gosta, eu compraria as do Foo Fighters cujo pacote está custando R$ 20,49.

Não é como a Capcom que faz o jogo e os DLCs ao mesmo tempo, coloca o DLC no DVD do jogo e depois vende apenas a chave para liberar o conteúdo presente no disco, isso é uma sacanagem gigante com os usuários legítimos!

Kinect x Move

Xbox Slim com o Kinect
Infelizmente, eu nunca joguei com o Move, nenhum amigo tem. Enquanto o Kinect alguns amigos tem e eu possuo diversos jogos, então joguei bastante. O Kinect foi o fator principal para meu pai ter comprado o Xbox, relatos de pessoas que largaram a academia jogando Kinect.

Um dos jogos de lançamento foi Your Shape Fitness Evolved, que pretendia ser um personal trainer, não chega nem perto, mas os mini-games são muito divertidos e cansativos, ótimos para queimar calorias e treinar alguns socos. Um jogo mais recente, Nike+ Kinect, é realmente um personal trainer e é totalmente dublado em português.

Só os jogos Kinect Adventures, Kinect Sports e o Kinect Sports Season 2 já valem o Kinect! Recomendo muito jogá-los. O único cuidado é que assim como o Wii, depois de um tempo os jogos podem se tornar repetitivos, sendo apenas mostrados para visitas curiosas.

Exercício do Your Shape Fitness Evolved
No caso do PS3, a Sony fez Sorcery, uma espécie de Harry Potter de aventura, sem o Harry Potter. Junto com Sport Champions, talvez, até hoje, sejam os únicos jogos quem me chamaram atenção.

Um fator positivo do Move é a precisão, é possível jogar nele, mesmo que você só queira utilizá-lo como controle. Bioshock Infinite (um jogo que promete) irá ter suporte ao move, mas nenhum para o Kinect. Nisso o Move é melhor, não é necessário alterar toda dinâmica do jogo para suportá-lo. Em Kinect Star Wars, apesar de divertido, passa longe do que eu esperava, o jogo não responde tão bem aos comandos.

Enfim, computador ou videogame?

Eu gosto de jogar no computador, me dá mais liberdade. Eu posso parar do meio do jogo, apertar Alt+Tab abrir o Chrome e ver algum email. Se qualquer peça do computador der problema, eu posso trocá-la! Não é como no videogame, que se a portinha do leitor travar eu tenho que levar no técnico, enquanto no computador um drive novo custa 50 reais, isso não paga nem a mão de obra. Além disso, eu não preciso ficar com medo de atualizar o console e a energia acabar no meio do update, pois no computador, na pior das hipóteses, posso formatá-lo, coisa que atualmente é cada vez mais raro, devido a estabilidade dos novos sistemas, seria só começar a instalação de novo.

Os jogos também para computador tem gráficos melhores, os consoles já nascem defasados em relação a computadores da mesma época. Mais o principal, são os jogos que custam mais barato para computador, ainda mais com a vinda do Steam para o Brasil.

Agora com as promoções de fim de ano é possível comprar toda coleção de um estúdio por 80 reais, um jogo com todos os DLCs por 10 ou menos, grandes clássicos por 5 reais. Sem dúvidas os computadores são opções viáveis.

A Valve vem nos últimos tempos desenvolvendo um console, que tudo indica será lançado ano que vem. Minhas apostas para ele são de que custará um pouco mais que um console comum, por volta de 400 dólares. Será atualizado anualmente ou no máximo a cada 2 anos, seguindo um modelo parecido com os gadgets da Apple, onde o posterior roda qualquer software anterior, ficando a cargo do desenvolvedor dizer qual o modelo mínimo, assim possibilitaria jogos com uma melhor qualidade gráfica sempre, diminuindo a qualidade gráfica para as versões anteriores.

Uma possível consequência é o fortalecimento do sistema operacional Linux, cujo console provavelmente irá rodar. Isso já começa a ocorrer, com a Valve trabalhando em sintonia com os fabricantes de GPUs para melhorar os drivers de vídeo, assim as desenvolvedoras podem portar seus jogos sem grandes problemas de desempenho.

E os jogos exclusivos?

Uncharted 3: Drake's Deception, jogo exclusivo do Playstation 3 (fonte)
Um dos grandes apelos dos videogames são seus jogos exclusivos. A Nintendo com dezenas do Mario, a Microsoft com Halo ou a Sony com a trilogia Uncharted. Apenas Gran Turismo 5 ou Forza 4 já me fariam ter vontade de comprar um console.

Halo 4, jogo exclusivo do Xbox 360 (fonte)
Acessórios também como o Kinect também fazem falta, apesar dos esforços da Razer com o Hydra, essas incursões não passam de experimentos caros que não tem suporte dos desenvolvedores. Falta o multiplayer local, mesmo os simples como Mario Party.

Esses tipos de jogos não encontram espaço no computador, não é o público alvo e até a chegada do Steam Box não será. Então é bom pensar bem em qual tipo de entretenimento você prefere, até porque o PC tem exclusivos, como os da Blizzard Star Craft II e Diablo 3, League of Legends e muitos MMORPGs.

Acho que depois de tudo isso, trouxe mais dúvidas do que certezas, mas vocês precisa ver qual o seu perfil. O Kinect é um acessório fantástico, mas que com o tempo pode cansar, os computadores por outro lado, você sempre poderá fazer n outras coisas.

3 comentários:

RobsonB disse...

Joguei bastante no PC e desde sempre nos consoles, mas com um pé pro PC hoje em razão dos simuladores de corrida.

Do Move, tenho ele e posso garantir que é dinheiro no lixo. Ok, não no lixo, ele é muito preciso, é divertido, faz um entretenimento bacana com visitas, mas é complicado (e caro) ter 2 Move com 2 Navigator em relação a oferta de jogos com suporte. Tenho justamente o Sport Champions, é um excelente jogo e por si já vale o esforço do kit básico, além, ele funciona apenas com apenas um Move (ou com 2 Moves por participante simultaneamente). Além dele, com um bom suporte, tem o KillZone 3 (que requer a sharpshooter e um navigator, no estilo Nintendo de vender plástico moldado), tem o EyePet (de realidade aumentada, mais popular com crianças e mulheres) e na PS Store alguns jogos casuais muito bacanas que usam bem o Move como elemento de quebra-cabeças (e viciam, nem que sejam os DEMO). Mas no geral o Move não vai muito além disso.

Só discordo do amigo na questão de defasagem inicial dos consoles, em especial em virtude do preço. O Custo/Benefício de um console é maior para jogadores quando se pesa o hardware. A justificativa de que no PC o próprio usuário faz sua manutenção é um tanto tendenciosa, já que nem todos os usuários o fazem e mesmo os que o fazem podem dependendo tentar consertar seu console por conta. Pior, você pode dizer que um usuário "conserta" seu equipamento apenas se considera o abrir, remover uma peça e trocar por outra, sem reparar a peça antiga.

No momento de seu lançamento, o hardware do videogame é tão potente quanto a geração atual de computadores, com um custo final muito inferior. Os PCs tem gráficos melhores SOMENTE SE tiver um hardware superior, e nós sabemos que isso custa muito mais que a média de mercado, logo, para ter esse gráfico melhor será necessário um equipamento melhor, com preço maior e isso só vai diluir com o tempo, daí sim, o PC esboça reação em termos de valor, porque desvaloriza muito mais rápido que o console.

O PS3 é de 2006, mesmo em 2012 a média dos computadores que custam (somente a torre) 900 reais não supera ele em FullHD (ou 720P, como a maioria dos jogos de console vem) com tudo rodando liso, efeitos altos e tudo mais. E isso porque por menos que consuma, o sistema pesa para o computador e o console roda de forma dedicada.

Pró aos consoles é o fato de que o jogo dispensa etapas para ser jogado, basta colocar o disco (ou nem isso em versões digitais) e sair jogando. Sem tempo, isso vale muito. Contra, e aí sim posso te dar razão e dizer que os consoles são piores, somente o fato de que o preço dos jogos são muito salgados, especialmente os de mídia física. Ver 150~200 reais em lançamentos é caríssimo. Especialmente quando existe um concorrente de peso como o Steam. Isso e a questão da amplitude de títulos. Há muito mais jogos para PC por preços atraentes do que existem para console. Cito um, como disse de simuladores, o Game Stock Car, da Reiza Studio, empresa nacional de games, que estava oferendo seu jogo por 30 reais e é um ótimo simulador de corrida. Ótimo de verdade. Num PS3 você se vê amarrado ao Gran Turismo 5 (e tu sabe que eu adoro GT).

RicardoZ disse...

Numa coisa vc tem toda razão, um PC de 2005/2006 não vale mais nada, enquanto um Xbox daquele ano perdeu valor, mas nem tanto.

“O PS3 é de 2006, mesmo em 2012 a média dos computadores que custam (somente a torre) 900 reais não supera ele em FullHD (ou 720P, como a maioria dos jogos de console vem) com tudo rodando liso, efeitos altos e tudo mais. E isso porque por menos que consuma, o sistema pesa para o computador e o console roda de forma dedicada.”

Depende, com gráfico equivalentes, da pra montar um AMD A alguma coisa por menos que o preço do PS3, só não vai querer rodar os jogos com tudo no talo ou AA (nunca testei, mas como a banda de memória é bem limitada 2x deve pesar já).

“Pró aos consoles é o fato de que o jogo dispensa etapas para ser jogado, basta colocar o disco (ou nem isso em versões digitais) e sair jogando. Sem tempo, isso vale muito. Contra, e aí sim posso te dar razão e dizer que os consoles são piores, somente o fato de que o preço dos jogos são muito salgados, especialmente os de mídia física. Ver 150~200 reais em lançamentos é caríssimo. Especialmente quando existe um concorrente de peso como o Steam. Isso e a questão da amplitude de títulos. Há muito mais jogos para PC por preços atraentes do que existem para console. Cito um, como disse de simuladores, o Game Stock Car, da Reiza Studio, empresa nacional de games, que estava oferendo seu jogo por 30 reais e é um ótimo simulador de corrida. Ótimo de verdade. Num PS3 você se vê amarrado ao Gran Turismo 5 (e tu sabe que eu adoro GT).”

Concordo totalmente! Ao menos fica amarrado a um baita simulador! :) Tô correndo atrás de Forza 4 no Xbox, até hoje não achei um que chegue aos pés desses no PC (não me venha com shift 2... só um extra, nos PC os DLCs dele eram de graça, já nos videogames...).

RicardoZ disse...

Numa coisa vc tem toda razão, um PC de 2005/2006 não vale mais nada, enquanto um Xbox daquele ano perdeu valor, mas nem tanto.

“O PS3 é de 2006, mesmo em 2012 a média dos computadores que custam (somente a torre) 900 reais não supera ele em FullHD (ou 720P, como a maioria dos jogos de console vem) com tudo rodando liso, efeitos altos e tudo mais. E isso porque por menos que consuma, o sistema pesa para o computador e o console roda de forma dedicada.”

Depende, com gráfico equivalentes, da pra montar um AMD A alguma coisa por menos que o preço do PS3, só não vai querer rodar os jogos com tudo no talo ou AA (nunca testei, mas como a banda de memória é bem limitada 2x deve pesar já).

“Pró aos consoles é o fato de que o jogo dispensa etapas para ser jogado, basta colocar o disco (ou nem isso em versões digitais) e sair jogando. Sem tempo, isso vale muito. Contra, e aí sim posso te dar razão e dizer que os consoles são piores, somente o fato de que o preço dos jogos são muito salgados, especialmente os de mídia física. Ver 150~200 reais em lançamentos é caríssimo. Especialmente quando existe um concorrente de peso como o Steam. Isso e a questão da amplitude de títulos. Há muito mais jogos para PC por preços atraentes do que existem para console. Cito um, como disse de simuladores, o Game Stock Car, da Reiza Studio, empresa nacional de games, que estava oferendo seu jogo por 30 reais e é um ótimo simulador de corrida. Ótimo de verdade. Num PS3 você se vê amarrado ao Gran Turismo 5 (e tu sabe que eu adoro GT).”

Concordo totalmente!

Só que ao menos vc fica amarrado a um baita simulador! :) Tô correndo atrás de Forza 4 no Xbox, até hoje não achei um que chegue aos pés desses no PC (não me venha com shift 2... só um extra, nos PC os DLCs dele eram de graça, já nos videogames...).

Ah, obrigado pelo ótimo comentário!