27 de janeiro de 2011

Um pouco sobre o programa espacial Soviético

Capitalismo x Comunismo
É muito fácil achar artigos, livros ou documentários sobre o programa espacial norte-americano, mas no caso do programa da URSS, atualmente Rússia, é mais complicado. Muitos não sabem, mas até a conquista da lua pelos Estados Unidos, a União Soviética estava na frente na corrida-espacial e ao contrário do que dizem, tinha projetos de enviar homens à lua, cancelado poucos meses depois do sucesso americano.

Os Estados Unidos, após o fim da Segunda Guerra, capturaram os melhores cientistas alemães responsáveis pelo desenvolvimento do foguete V-2, a URSS só conseguiu recrutar cientistas de segunda linha. O cientista Wernher von Braun, um dos principais desenvolvedores do V-2, se rendeu aos Estados Unidos, começando, alguns anos depois, a aperfeiçoar a tecnologia para os americanos. Enquanto isso, a União Soviética desenvolvia a sua bomba atômica que era maior e mais pesada que as americanas, consequentemente necessitavam de foguetes poderosos. Devido ao desenvolvimento desses foguetes, entre outros motivos, os soviéticos saiam na frente.

Tsiolkovsky
O professor Konstantin Eduardovitch Tsiolkovsky iniciou os estudos sobre os princípios matemáticos do voo espacial, foi o autor da profética frase: "A Terra é o berço da humanidade, mas ninguém pode viver eternamente no berço". O museu estadual da história dos cosmonautas em Kaluga na Rússia, uma cratera no lado escuro da lua, entre outras coisas foram nomeadas em homenagem a Tsiolkovsky. Posteriormente Sergei Korolev, um Ucraniano pai do programa espacial soviético, iniciou os estudos sobre como realizar um voo espacial e retornar a solo em segurança, o estudo foi enviado à Academia de Ciências Soviéticas em 1934. Foi considerado como um rival para Wernher von Braun.

Muitos anos depois, em 4 de outubro de 1957, o primeiro satélite foi colocado em órbita, por um míssil intercontinental R-7 Semyorka que foi projetado para transportar ogivas nucleares, se chamava Sputnik 1 (em russo Cпутник-1) e transmitia um sinal que foi recebido e retransmitido por universidade americanas. O Sputnik era bem pequeno, com apenas 58 cm de diâmetro e 83,6 kg, atingiu a velocidade de 28.800 km/h e dava uma volta completa na terra a cada 96,3 minutos. No museu aeronáutico do CTA em São José dos Campos existe uma réplica.

Selo com Belka e Strelka
Logo depois, em 03 de novembro de 1957, foi lançado o Sputnik II que pesava 543,5 kg e levava cachorra Laika. Oficialmente a cadela morreu com o fim do oxigênio. Anos mais tarde descobriu-se que foi devido ao superaquecimento da cápsula. Os americanos responderam em 1 de fevereiro de 1958 com o Explorer I que tinha diversos sensores que permitiram a descoberta do Cinturão de Van Allen.

Existiram outros veículos-espaciais com nome Sputnik, como a 5 (conhecida como Korabl-Sputnik 2 na Rússia), lançada em 19 de agosto de 1960, que levou ao espaço os cachorros Belka e Strelka, quarenta camundongos, dois ratos e diversas plantas, todos retornaram a salvo. O motivo da missão era testar como um organismo vivo se comporta em gravidade zero. Para humilhar os americanos, foi enviado um dos filhotes da cadela Strelka ao então presidente americano John F. Kennedy. A missão Korabl-Sputnik-3, lançada em 1 de dezembro de 1960, tinha os objetivos iguais a anterior. A Korabl-Sputnik-4, lançada em 9 de março de 1961, pesava 4700 kg e levava um manequim e uma cachorra, era o inicio dos testes para enviar um humano.

A União Soviética começou em 1959 o programa Luna, que consistia em sondas enviadas para explorar a Lua. A Luna 2 (ou Lunik II) foi o primeiro objeto criado pelo homem a alcançar a Lua em 14 de setembro de 1959. Mais importante que isso, em 12 de abril de 1961, o momento tão esperado aconteceu, era lançado o primeiro homem ao espaço, Yuri Gagarin. Na nave espacial Vostok 1, ele orbitou a Terra por apenas 89,34 minutos com inclinação de 64.95° (pode parecer um dado idiota, mas era muito importante). No momento da reentrada o módulo de ferramentas não se separou da cápsula de Gagarin, devido ao calor do atrito na reentrada a separação ocorreu. Assim como planejado o cosmonauta ejetou e desceu usando um paraquedas.



Outras missões tripuladas ocorreram, como a Vostok II em que Gherman S. Titov fez 17,5 orbitas ao redor da terra. Na reentrada ocorreu o mesmo problema da I. Já as Vostok III e IV foram lançadas com a diferença de um dia e ficaram a poucos quilômetros, para testar o sistema de comunicação. Fato igual ocorreu com a Vostok V e VI que permaneceram a apenas 5 quilômetros uma da outra. A V pretendia quebrar o recorde de permanência no espaço com 8 dias, mas devido a problemas teve que retornar antes. A VI levava a primeira mulher ao espaço.

Discurso de Kennedy na Rice University
A partir de então começara a corrida espacial, com a URSS na frente da potência EUA. O povo americano assistiu ao feito soviético e ainda não tinham tecnologia para tal. Um mês depois, em 25 de maio de 1961, John F. Kennedy fez o famoso discurso no congresso, cuja uma frase destaco:
"First, I believe that this nation should commit itself to achieving the goal, before this decade is out, of landing a man on the Moon and returning him safely to the earth."
“Primeiramente, acredito que esta nação deve dar tudo para atingir o objetivo, antes desta década acabar, de pousar um homem na Lua e retorná-lo com segurança a Terra”

Em 12 de setembro do ano seguinte, na Rice University, proclamou a famosa frase (assista ao discurso ou leia a transcrição):
"We choose to go to the Moon in this decade and do the other things, not because they are easy, but because they are hard."
"Nós escolhemos ir à lua nesta década e fazer outras coisas, não porque são fáceis, mas porque são difíceis."
Sergei Korolev
A partir dai começa o declínio do programa espacial soviético em relação aos Estados Unidos. Sergei Korolev falece em 14 de Janeiro de 1966, alguns consideram esse fato como o principal motivo da "derrota" soviética na conquista da lua. Em "Two Sides of the Moon" - um livro escrito por David Scottum, um astronauta americano, e Alexei Leonov, um cosmonauta russo - Leonov descreve o que a morte de Korolev significou para o programa espacial russo:

"Korolev's power, influence and responsabilities at that time are almost impossible to comprehend. Not only was he in charge of all space-related issues, but he was also in charge of some of the design of rockets for military purposes. (...) The rough Soviet equivalent of NASA, the Ministry for Medium Machine Building, was established in 1962. But it truth it was Korolev who was the mastermind behind all these programmes. I marvelled at his ability. He was a profound thinker. But he was tough. He did not suffer fools gladly. He had the ability to silence a person with the smallest gesture of a hand."
N1 e Saturn V
Existem outros motivos, como a troca do Primeiro-ministro Nikita Khrushchov que apoiava o programa espacial, por Leonid Brejnev que não se interessava tanto pelo espetáculo espacial de Khrushchov. Os foguetes N1 - similares aos Saturn V responsáveis por levarem os americanos à lua - foram um retumbante fracasso, tinham 32 motores, enquanto o Saturn V apenas 5, o que ocasionava diversos problemas no primeiro estágio que foram responsáveis por falhas em todas as 4 tentativas de lançamento. A URSS já tinha até desenvolvido um módulo lunar para alunissagem (mais fotos do módulo lunar), se não fossem os fracassos com os foguetes N1 provavelmente teriam pousado na lua primeiro. Com o desafio proposto pelo presidente americano, a NASA consegue chegar à lua no final de 1969.

Posteriormente a URSS investiu em sondas e estações espaciais. O Programa Vênera, também conhecido como Venusik (Венера em russo), iniciado em 12 de fevereiro de 1961 levou 16 sondas a Vênus. As primeiras tiveram diversas problemas, as que chegaram a Vênus não resistiam a atmosfera, até a quinta que, apesar de se desintegrar durante o pouso, transmitiu dados sobre o planeta. As duas últimas foram enviada em 2 de junho de 1983 e mapearam o hemisfério norte do planeta. Se quiser mais informações existe um ótimo artigo na Wikipédia sobre todas elas e suas respectivas missões.

O programa Salyut (Салют em russo, saudações em português) era uma série de 7 estações espaciais pequenas, lançadas entre 19 de Abril de 1971 e 19 de Abril de 1982. A 2, 3 e 5 faziam parte de um programa militar chamado Almaz que fez alguns experiências e tinham um telescópio para tirar fotos de instalações militares no solo. Até surgiram algumas lendas estranhas como o encontro com Óvnis da Salyut 6.

Estação Espacial MIR
Posteriormente, com a experiência adquirida com as Salyut, foi construída a estação espacial MIR. Ela era modular, suas diversas partes foram enviadas em diferentes missões. A construção iniciou-se em 19 de Fevereiro de 1986 com o envio do módulo principal por um foguete Proton 8K82K. A altura média da órbita era de 400 km, mas variava bastante. Inicialmente era planejado que ela ficaria 5 anos no espaço, mas acabou ficando 3 vezes mais, e foi retirada de orbita em 23 de Março de 2001. Esse site tem a descrição dos vários módulos da MIR.

Foi usada para fazer diversos experimentos em gravidade zero. Uma curiosidade é que foi construída pela URSS e com a dissolução desta passou a ser administrada pela Rússia, através da agência espacial federal russa.



Com o inicio do desenvolvimento do projeto americano dos ônibus espaciais (space shuttle em inglês) a URSS também começou a desenvolver os seus. Sob o projeto Buran iniciado em 1975, cuja construção iniciou-se em 1980, apenas um único voo totalmente automático foi realizado efetuando duas voltas na Terra. Este foi destruído devido ao colapso da estrutura do hangar que era guardado no Cazaquistão. Diversos outros foram construídos durante o desenvolvimento, você pode conferir o que aconteceu com os outros aqui.

Soyuz-TMA, modelo usado até hoje
Com a atual Rússia ainda existem projetos de exploração espacial como o Venera-D: uma sonda que pretende mapear o solo de Vênus para futuras viagens, é planejado que ela aguente bastante tempo na superfície do planeta. Ou o Projeto Mars 500 que é um estudo do que ocorreria numa futura longa missão a marte. Entre outras.

É interessante notar como algumas coisas projetadas durante a corrida espacial ainda são usadas, o que, infelizmente, não ocorre com a NASA. As cápsulas Soyuz são usadas desde 1966 com pequenas modificações para enviar mantimentos e astro/cosmonautas para a estação espacial internacional. Os foguetes R-7 usados desde 1957, inicialmente para o lançamento do Sputnik, também são utilizados até hoje, para enviar satélites e cápsulas Soyuz para a EEI. Agora com a aposentadoria dos ônibus espaciais americanos, as Soyuz e a empresa SpaceX (via contratos com a Nasa) serão os únicos meios de levar cargas à EEI.

Uma coisa que pesquisei muito e não encontrei nada são os computadores usados no programa espacial soviético. Coisa que no americano é fácil, como o da Apollo 13 ou dos ônibus espaciais, não faz muito tempo que liberaram o código fonte do computador da Apollo 13.

Aqui você pode conferir algumas fotos das atuais condições dos restos do programa espacial soviético.

Dois documentários em especial gostaria de recomendar. O primeiro é Space Race da BBC, o segundo é Grandes Missões da NASA do Discovery Channel, que apesar de não ser sobre a URSS é muito bom.

O livro as duas faces da lua tem seu prefácio escrito por Neil Armstrong, o primeiro homem a pisar na lua. Você pode ler o prefácio e o primeiro capítulo. Se alguem achar esse livro a venda no Brasil, por favor comente falando onde achou.

5 comentários:

leandro931 disse...

De fato você omitiu dados importantes nessa história, como o fato dos EUA terem posto o primeiro satélite de telecomunicações em órbita, o SCORE.
De fato os EUA estavam um passo atras da USRR, mas seus satélites sempre tiveram 'acabamento' muito melhor que os soviéticos, seja de Ciência seja de Engenharia.

E vamos ser sinceros, o Sputinik I não foi lá grandes coisas...

RicardoZ disse...

Obrigado pelo comentário.

Realmente faltam muitas informações sobre o programa espacial norte americano, já que o foco é o soviético, o máximo que quis foi colocar o suficiente para traçar um paralelo em relação ao soviético.

Sobre os satélites... vc tem razão, mas o Sputnik foi mais importante em relação aos foguetes usados para leva-lo ao espaço que o próprio satélite. Além disso, em relação ao Sputnik 2, para o opinião pública é mais impressionante colocar um ser vivo em órbita do que vários experimentos científicos (para fazer propaganda do comunismo), por isso o motivo da cadela Laika ir ao espaço.

Julio disse...

Muito bom o seu artigo! Difícil achar alguém que fala do lado soviético na corrida espacial. Gostei bastante!! Porque se depender da imprensa nacional, é só propaganda americana... mesmo hoje em dia, eles dependendo dos russos para ir ao espaço, são tratados como os melhores, o que nem sempre é verdade. Um abraço!

Jonass disse...

Queria lhe parabenizar pelo seu blog, realmente interessante e informativo.

RicardoZ disse...

Obrigado Jonass! :)